Pronampe empresta R$ 17 bilhões em vinte dias após retomada de operações

Iniciativa do senador catarinense Jorginho Mello (PL/SC) já ajudou a manter cerca de 10 milhões de empregos, segundo o governo

O Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) liberou cerca de R$ 17 bilhões em créditos para micro e pequenas empresas, após 20 dias do início das novas operações do programa. A expectativa do ministério da economia é de que a nova fase empreste ao todo R$ 25 bilhões.


Os ajustes nas condições do crédito não diminuíram a aderência dos contratos. Nestes poucos dias, 223 mil empresas foram atendidas pelo Pronampe, que mesmo com alterações nas taxas de juros, ainda se mostra como um crédito mais barato do que o ofertado em média pelo mercado.


O senador Jorginho Mello (PL/SC), autor do programa, vê com otimismo os números dos últimos dias, mas reforça que o ritmo dos empréstimos não pode esfriar.


- No primeiro momento fizemos o Pronampe para auxiliar as micro e pequenas empresas a saírem do prejuízo provocado pela pandemia. Nas primeiras fases dos empréstimos foi como jogar pão em um açude de peixes famintos, acabaram os recursos num piscar de olhos. Houve pouca vontade dos bancos em emprestar pelo Pronampe, já que é uma linha de crédito barata. A necessidade era tanta que eu, junto com o governo, fiz dele uma política permanente. Eu espero que os contratos continuem sendo firmados neste ritmo e que isso não esfrie. Há muitas empresas que precisam ser atendidas ainda – afirmou o senador.


O Pronampe até aqui já emprestou R$ 54,5 bilhões para quase 700 mil empresas em todo país. Segundo o governo federal, a iniciativa já ajudou a manter cerca de 10 milhões de empregos durante a pandemia. Além disso, o próprio presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro Paulo Guedes, avaliam o programa como a medida mais eficiente na retomada econômica.

18 visualizações0 comentário